Eu era um solteiro solitário

Chega um ponto da sua vida que você cansa da solidão, certo? Bem, eu
era um desses caras. Solteiro há mais de dois anos, nunca havia ficado
com alguém desde então. E por uma razão muito simples: eu detestava sair
de casa. Não que meu problema fosse falta de beleza ou de caráter. Pelo
contrário, eu não era de se jogar fora e simplesmente preferia me isolar
de todo tipo de diversão barata e danosa, como ficar muito louco nos
fins de semana após cheirar maconha. No fundo, eu sabia que um dia encontraria alguém que
fosse compatível com os meus padrões de personalidade. Além disso, o
fato de meus pais terem morrido há poucos meses era mais um motivo pelo
qual eu optei em não sair muito de casa. De qualquer forma, sempre fui
um cara quieto, praticava meus hobbies e me entretia sozinho. Os poucos
amigos que fiz foram na escola, mas eu já estava cheio deles, eram todos
nerds babacas e eu vivia na simplicidade. Ah, não vou negar que sentia
um pouco de inveja por eles, já que estavam sempre ficando com várias
garotas, e alguns já tinham seus relacionamentos bem sucedidos. Para
completar, adicione um pouco de timidez a tudo isso, e a coisa se
transforma em uma verdadeira merda. Acho que você já deve ter percebido
que minha vida é monótona e chata. Minha rotina era acordar todos os
dias para trabalhar num posto de gasolina que ficava cerca de 15 minutos
de caminhada da minha casa. Durante meu tempo livre, geralmente só fico
dormindo e assistindo vídeos aleatórios no YouTube. De certa forma, a
internet era a minha única fonte real de entretelimento, e eu passava a
maior parte do tempo lendo notícias ou vendo pornografia. Afinal, eu não
era de ferro.
Um dia, percebi que eu poderia criar um perfil num desses sites de
relacionamentos online. Minha escolha foi o Badoo, pela grande
quantidade de usuários cadastrados e por estar no topo da lista de
aplicativos do gênero. Agora, possivelmente eu poderia conhecer alguma pessoa legal
que gostasse de viver da mesma forma que eu, embora sabia que a maioria
de pessoas no Badoo procurava sexo casual e encontros sem compromisso. Infelizmente, todas as garotas da minha área pareciam nem me notar. Então eu tomei a decisão
de gastar
meus últimos centavos para me promover no aplicativo de encontros e
talvez conseguir alguma chance real de conhecer alguém. Bem, acabou por
dar certo. Logo, minha caixa de mensagens estava cheia de solicitações
de conversas. Bati papo com algumas moças, a maioria eram
universitárias e com bons empregos. Quando eu me formei no ensino médio,
estava de saco cheio de estudar, então, fazer faculdade definitivamente
não estava nos meus planos. Eu sempre fui um cara bastante simpático e
persuasivo, então não demorou muito para que eu marcasse um encontro
pelo Badoo. Seu nome era Nicole, 24 anos, estudante de enfermagem e um
belo sorriso. Combinamos de nos encontrar a noite, em um bar próximo.
O encontro foi ótimo, tomamos alguns drinques e eu acabei ficando
muito bêbado, enquanto ela me contava sobre a sua futura formatura e
sobre o sonho realizado de concluir o curso. Nicole era uma jovem
encantadora e parecia não se importar com o fato de eu não fazer muita
coisa na vida. Tudo parecia girar a minha volta, e eu a convidei para ir
até minha casa sem exitar. Por incrível que pareça, ela aceitou
sem pensar, e fomos embora.
No dia seguinte, eu acordei no sofá da sala. Olhei para os lados,
mas não vi nenhum sinal de Nicole. Chamei pelo seu nome, mas não obtive
resposta. Minha cabeça doía e eu não conseguia me recordar do que havia
se passado nas últimas horas. Preocupado, andei pela casa e procurei em
todo lugar pela moça, mas não encontrei absolutamente nada. Imaginei que
ela teria ido embora por algum motivo de força maior, e deixei uma
mensagem privada em seu WhatsApp. As horas passaram, e estranhei o fato
de não receber notícias de Nicole. Ela não havia visualizado minha
mensagem, e estava inativa no aplicativo desde a hora que nos
encontramos. Ao abrir o Badoo, chamei outras garotas e acabei por esquecer do estranho incidente. Na verdade, minha popularidade no app estava bem elevada, e eu
comecei a conversar com outra garota, desta vez uma jovem de 21 anos chamada Carol.
Fiquei surpreso com a quantidade de coisas em comum que tínhamos, e eu achei que havia uma
química muito boa entre nós dois com o desenrolar das mensagens.
Diferente de Nicole, Carol parecia mais tímida e reservada, e demorou um
tempo até que ela se interessasse em sair comigo. Novamente, escolhi o
bar perto de casa como ponto de encontro. Carol era linda, agradável e
simpática. Conversamos durante um longo período de tempo, e entre
beijos,, a convenci de ficar comigo naquela noite.
De repente, eu acordei lentamente com a luz do sol que entrava pela
janela da sala de estar. Confuso, lembrei de que tive um encontro com
Carol, mas não passava de um borrão na minha mente. E para aumentar
minha confusão, ela não estava comigo. Esfreguei meus olhos, e notei que
algo não estava certo. Minha cabeça doía, e ao olhar num espelho
próximo, percebi que meu rosto estava coberto de marcas e arranhões,
parecendo que foram feitos por unhas. Assustado, peguei meu celular e
enviei uma mensagem para Carol, perguntando se ela sabia que porra tinha acontecido
comigo. O dia se passou, e não recebi nenhuma resposta. Acabei
concluindo que, tanto Carol quanto Nicole não haviam gostado das minhas
atitudes mesquinhas e decidiram me deixar sozinho. “Tinha que ser isso”,
eu pensei. Achei melhor parar de me preocupar com o ocorrido, afinal, elas não
eram as únicas garotas do mundo. E os arranhões? Bem, ela deve ter me
arranhado enquanto transávamos loucamente, foi isso. Decidi parar de
usar o Badoo por um tempo.
Em um fim de semana, com a chegada do verão, eu decidi que organizaria a bagunça de minha casa,
e limparia tudo que pudesse, já que o porão estava começando a cheirar
muito mal. Enquanto tirava algumas caixas de tralhas do caminho, recebi
uma notificação do Badoo, avisando sobre uma nova mensagem.
Imediatamente, me recordei das situações estranhas que haviam acontecido
comigo. Peguei meu celular, e nervosamente, olhei para
a notificação. Era de uma garota que eu não conhecia, chamada Isadora.
Pensei em responder mais tarde e continuar a limpar minha casa, mas algo
me deteve, um sentimento de inquietação e interesse me moveram a iniciar
uma conversa com a garota. Bem, eu ainda estava sozinho, e não custava
tentar contatar uma nova pessoa. Descobri que ela só estava interessada em
fazer sexo. Mesmo assim, acabei saindo de casa no mesmo momento para ir ao seu
encontro, pois eu já estava entediado e não tinha nada de melhor para
fazer. E quem recusaria uma oportunidade como esta?
Era noite, eu acordei assustado com um barulho estranho. Confuso, eu
novamente lembrei de que havia saído para ir a um encontro. Eu estava prestes a gritar “mas que porra é essa!” quando ouvi
passos vindos de cima de onde eu estava. Eu congelei de medo, pensei
rapidamente que Isadora deveria estar ali comigo, só podia ser isso.
Enquanto meu coração batia rapidamente, eu pulei de susto com um som de
notificação vindo do meu celular. Os sons de passos haviam parado. Será
que eu estava sonhando? Decidi levantar e checar o aparelho. Para minha
surpresa, Nicole havia me enviado uma nova mensagem. A mensagem
dizia: “Oi, vamos nos encontrar?”. Sonolento, eu respondi: “Onde?”. Após
alguns segundos de silêncio, sem resposta de Nicole, eu ouvi um forte
estrondo no meu porão. Saí correndo para verificar o que havia
acontecido. Ao entrar lá, sinto um forte cheiro de carne podre que me deixa enjoado e com
náuseas. Aperto o botão do interruptor da lâmpada, e tudo faz sentido
para mim.”Nunca mais ficarei sozinho. Agora, posso me encontrar com minhas garotas sem sair de casa,
basta ir no porão”, eu penso, sorridente.