Categoria: Musicalizando

Meu bom navegante da internet, seja bem vindo ao espaço dedicado a uma das maravilhas da humanidade, a música! Aqui falaremos sobre versões e covers interessantes de músicas que você conhece ou que irá conhecer!
Aquela trilha sonora que esteve presente nas horas mais emocionantes de um filme ou série que você gosta; até textos inspirados por canções!
Este é o musicalizando! Pegue seus acordes, eu trago uma melodia e vamos criar uma canção, está pronto?
Então, dó, ré, mi, fá, sol, lá vamos nós!

Todos queremos isso!

Olá caro leitor! Junho foi o mês do amor! Por que estou dizendo isso? Bom, doze de junho foi dia dos namorados enamorados! Data comemorada no dia 14 de fevereiro nos Estados Unidos, na Europa, na China; no Brasil não, aqui é 12 de junho. Por que será que nosso feriado dos casais apaixonados é nessa data?
Falando nesse doce sentimento, a música que vou trazer hoje em três versões trata exatamente disso. Praticamente uma declaração de amor dizendo que a pessoa não se imagina amando ninguém mais para o resto da vida! Que romântico!
Sabemos muito bem que nem todos os relacionamentos amorosos duram tanto tempo. O que ninguém pode negar é que sempre iniciamos um namoro ou casamento esperando que dure a vida inteira.
Essa canção foi lançada em 1967 pela banda norte-americana The Turtles. O sucesso foi tanto que ela tirou uma música dos Beatles das paradas de sucesso na época, ocupando o primeiro lugar. Isso não é um feito para qualquer um!
Utilizada como trilha sonora do filme “Imagine me and you”, traduzindo: “imagine eu e você”. O nome do longa metragem é literalmente o primeiro verso dessa canção.
Vamos a ela em sua versão original.

Como sempre, vou contar como conheci essa música tão linda. A alguns anos, eu era muito fã da banda Simple Plan. Eles fizeram um cover de Happy Together, traduzindo: “felizes juntos”, e eu gostei muito da canção. Entretanto, não procurei a tradução para saber o que dizia na letra.
Confesso que fui descobrir recentemente por conta desse post! Foi uma linda e agradável surpresa, pois é o tipo de mensagem que eu gosto de ouvir.
Como eu dizia, estava assistindo uma série na Netflix chamada Santa Clarita Diet quando a música começou a tocar bem no início de um episódio. Achei o ritmo, instrumental e a velocidade diferentes. Não fazia ideia que a música do Simple Plan era um cover. Fui pesquisar no google e então vi que ela era muito mais antiga do que eu podia imaginar!
Como mencionei, a música que ouvi pela primeira vez foi a que se encontra no link abaixo:

Não me olhe com essa cara! Eu sei que tenho um fraquinho por covers em estilo rock! Também sei que trago muito mais músicas em inglês do que em português. Vou trabalhar nisso e valorizar também nossa maravilhosa música brasileira. Temos muitos cantores e canções excelentes por aqui!
Essa é minha promessa para o próximo post. E eu sempre cumpro o que prometo!
A música acima é tão animada! Sou apaixonada por esses toques da guitarra no primeiro e segundo versos, e do grito do vocalista antes do terceiro refrão!
E como a internet nunca me decepciona, encontrei uma versão dessa musica bem diferente! Ela superou até a versão em rock dos garotos ali em cima! Pois é uma música com um pouco do arranjo musical principal e uma pegada de hap no meio. Já imaginou isso?
Escute pelo menos um pedaço para ver como ficou essa mistura fantástica. Essa música é da banda Flobots.

A letra dessa música é a única que vai no sentido contrário. Fala sobre um amor que não deu certo, sobre tentar um relacionamento, mas no fim das contas isso não funcionar. A vida tem dessas coisas também.
Mas vamos pensar positivo e jamais deixar medos e incertezas atrapalharem um sentimento que pode ser tão maravilhoso.
Agora, sobre a minha pergunta no início do post, ou seja, porque o dia dos namorados no Brasil é comemorado no dia 12 de junho, a resposta é: por que é a véspera do dia de santo Antônio. Conhecido como um santo casamenteiro. Pois ele sempre falava bastante sobre a importância do amor e do casamento.
Já nos Estados unidos a celebração ao amor é feita no dia 14 de fevereiro e é chamada Valentine’s Day. Traduzindo: Dia de São Valentin. Este era um bispo da igreja católica que foi impedido de realizar casamentos graças a uma proibição do imperador da época.
Valentin continuou realizando os casamentos em segredo, que romântico! Porém o fim da história não é nada bonita. Ele acabou sendo preso e posteriormente decapitado. Esses romanos não tinham coração!
Enquanto estava preso, o bispo Valentin recebeu cartas e bilhetes de muitos casais agradecendo a ele por ajudá-los e portanto a data da morte do bispo transformou-se em um dia de comemoração a este belo sentimento.
Uma outra curiosidade é que nos Estados unidos a data é comemorada também entre os familiares e amigos, não sendo um dia apenas para expressar o amor entre pessoas que são um casal, mas sim o amor no geral para um amigo, os pais e sim, um namorado.
Espero que este post tenha aquecido seu coração nesses dias tão frios. Pois o amor é o sentimento mais bonito que podemos demonstrar aos outros.
Até logo, querido leitor!
Dó, ré, mi, fale um “eu te amo” hoje!

Continue lendo

Surpresa Cinematográfica

Quem disse que o cinema nacional não é legal? Bem, eu disse. Caro leitor, a gente fica julgando filmes ou livros antes de conhecer e pode acabar não descobrindo e desfrutando de obras maravilhosas! Essa foi minha grande lição quando saí com meus amigos.
Um deles sugeriu o filme “Minha Fama de Mau”. Tivemos uma pequena discussão, pois eu queria assistir qualquer outro. Até que as outras opções eram interessantes também. No fim das contas fomos todos ver esse mesmo. E olha só que surpresa: amei muito a história e todas as músicas!
Quando voltei para casa, fui procurar a trilha sonora para ouvir mais um pouco.
Se você não ouviu falar desse filme vou dar uma ideia do que ele fala. A história mostra a trajetória musical e um pouco da vida pessoal do cantor e compositor Erasmo Carlos. Portanto um bom trecho fala do movimento da Jovem Guarda.
Vemos desde a amizade dele com o também cantor Roberto Carlos, os shows que faziam no programa de televisão, o relacionamento dele com a mãe, o envolvimento dele com a música desde a adolescência. Realmente é muito interessante!
Agora vamos falar das músicas que me chamaram a atenção: a primeira está no trailer e tem o mesmo nome do filme.

Uma curiosidade que descobri em uma entrevista do Erasmo Carlos é que algumas pessoas criticaram as músicas dele. Diziam que eram machistas e tal. Quando fui ouvir e prestar atenção, entendi o que quiseram dizer. Mas, como bem observou um outro amigo meu, tem muitas coisas que a alguns anos atrás eram consideradas normais e hoje não são mais. É injusto criticá-lo por algo que fazia sucesso naquela época.
Sobre a música “Festa de Arromba”, vemos no filme que os jornalistas diziam que o Roberto Carlos e o Erasmo Carlos tinham uma richa. Algo sobre um fazer mais sucesso que o outro. Então o Erasmo Carlos fez a canção citando todos os grandes nomes da música da Jovem Guarda para mostrar que ninguém estava com raiva de ninguém, que a competição, se houvesse, era algo saudável.
Eu já tinha ouvido essa canção algumas vezes, então foi muito legal descobrir em que contexto e por qual motivo ela foi criada.

Também é super animada e contagiante! Curto muito essa música!
Voltando a falar do protagonista dessa história, o Erasmo Carlos teve uma fase ruim na vida onde ele não conseguia compôr, ficou péssimo, não queria mais saber de música nem de nada. A próxima música é mostrada exatamente nesse momento da vida dele.
Pela letra podemos perceber como ele se sentia naquele ponto da trajetória de vida dele.
Na entrevista que já mencionei acima, ele comenta que saiu dessa fase ruim sozinho e conseguiu dar a volta por cima.

Bem lenta, calma e tranquila com uma letra melancólica e reflexiva. Uma excelente canção.
Um fato interessante são os atores que interpretam o Erasmo Carlos, o Roberto Carlos e a Vanderléia: Chay Suede, Gabriel Leone e Malu Rodrigues respectivamente. Todos escolhidos pelo próprio Erasmo. E o mais interessante na minha opinião foi que eles são cantores além de atores. Desse modo puderam colocar as músicas da Jovem Guarda cantadas de verdade pelo ator do filme que estivesse na cena em questão, pois interpretam os músicos na época da juventude. Foi um cuidado que trouxe um carisma e um toque original ao filme.
Para finalizar, vou colocar aqui a música que ouvi vezes sem conta dessa trilha sonora. Além dessas outras já citadas que são minhas favoritas.

Não é uma canção fofa? Gosto dela principalmente porque conta uma pequena história e no último refrão as palavras são modificadas, pois ele já conquistou o brotinho! risos.
As gírias daquele tempo eram engraçadas. Fiquei um tempão pensando porque raios o jeito de chamar as moças era “broto”. E a conclusão que cheguei é que elas seriam como flores que desabrocham, lindas e encantadoras. E antes de desabrochar as flores são brotos. Não sei se meu raciocínio está correto, mas vamos acreditar que está, não é, caro leitor?
Agora me despeço, pego emprestada a lambreta do rapaz ali da canção e deixo para quem se interessar, a entrevista do compositor Erasmo Carlos de onde tirei algumas das informações que citei aqui no texto.
Dó, ré, mais cinema nacional!

Continue lendo

Bem vindos à festa!

Como diria o Silvio Santos: “Ritmo, é ritmo de festa!”. Por que estou nessa animação toda? Vou te falar meu caro leitor! Primeiro porque o Carnaval já passou, meu niver também e a Páscoa tá quase aí! Uma perguntinha: você é do tipo que dança no Carnaval? Vai pra folia com a galera e se diverte de montão? Se sim, legal! Se não, legal! Eu também não! Sou mais do tipo que fica em casa vendo série e lendo livro. Sou dessas pessoas que se divertem com coisas alternativas. Além disso, como dançarina sou uma ótima cantora! O importante é se divertir. Por isso, se você é do tipo que dança! Parabéns, dance mesmo! Se divirta muito com seus amigos e família e seja feliz. A vida tem problemas demais pra gente deixar que nos afetem. Outro motivo pelo qual estou muito festiva hoje, é que o meu aniversário foi semana passada! Quem vai me dar presente? Tenho uma listinha de coisas que quero ganhar viu leitor? O primeiro item dela é um comentário seu aqui no meu post! Vamos lá, esse presente vai ser de graça! Aproveita! Ok, falando sério agora, meu aniversário já foi e este ano não fiz festa. Também diga-se de passagem, fiz vinte e seis, não tinha grana e portanto, nada de festanças.
Então, para comemorar o meu dia, vamos ouvir uma música animada bem legal?
Eu curto muito ela e sempre me faz pensar em gente dançando, drinks, sorrisos, olhares, hummm, e eu colocando amores e romance em tudo. Não tem jeito.
Essa música se chama Glad You Came da banda The Wanted. Formada em 2010 e separada em 2014. Uma pena, pois as músicas são muito boas, Embora se pareçam bastante com One Direction. Ou será que era o One Direction que parecia com eles? Qual veio primeiro?
Bom, tanto faz, o importante é a música maravilhosa que fala sobre o universo todo se iluminar quando uma certa pessoa chega! Viu, é romântico!

Um detalhe interessante dessa música, para mim uma coisa de gênio, é que o verso seguinte começa com a última palavra do verso anterior. Fica um jogo de palavras que lembra uma poesia. Não é legal? Uma letra de poesia, transformada em música.
Vou dar um exemplo, em um trecho da letra diz: “Você pode ficar mais um tempinho, o tempo está fugindo, Fugindo de nós, então fique comigo que eu posso fazer, Fazer você feliz por você ter vindo”, a tradução não fica exatamente igual. Mas observe o mesmo trecho em inglês e como acontece o que eu falei, ou seja, o próximo verso começa com a última palavra do verso anterior: “Can you spend a little time, time is slipping away, Away from us so stay, stay with me I can make, Make you glad you came”. Muito inteligente quem escreveu isso!
A próxima música me enganou na primeira vez que a ouvi. Ela começa lenta, podemos ouvir um piano e um violino. Você pensaria: “uma música melosa de namorados! af!”, e então de repente, Bum! Ela muda e vira uma música eletrônica vibrante e maravilhosa!
A letra fala sobre amor sim, mais especificamente sobre amor real, aquele tipo que todo mundo quer encontrar nessa vida.
O que eu mais gosto nessa música não é a letra bonitinha, ou o ritmo todo alegre e tal, é um detalhe, um efeito sonoro que ela tem que eu adoro escutar! Ele toca na parte em que ela canta: “This is real real real real love”, um pouquinho antes do refrão.
Será que você consegue encontrar esse efeito tão bonitinho? Pra mim parece um som de efeito de videogame no meio da música, o que faz todo sentido, pois é uma música eletrônica. Caramba, melhor eu parar de falar música eletrônica. Já falei tanto que eu mesma estou ficando cheia dela.
Voltando a Real Love, escute aí e veja se não é digna de estar em uma festança!

Agora vou falar de uma música que tem um nome um tanto destrutivo. Na verdade bastante destrutivo, mas o contexto aqui é música e posso imaginar o motivo da escolha dessa palavra específica. Deve representar muita força. Deve ser emocionante ouvir ela na balada. Chega de tanto suspense, o nome da música é Tsuname.
Não posso falar nada da letra por que a única coisa que diz na música é Tsuname. Essa energia e batidas que ela tem fazem dessa canção uma das minhas favoritas em questão do gênero já citado oitocentas vezes.
Curte aí leitor e me diga se ela não merece também estar em uma festa de aniversário de uma pessoa que fez 26 anos.

Em seguida vem outra música esplêndida, maravilhosa de ouvir, completamente viciante, muito fofa e que também é uma das minhas favoritas.
O que me chamou a atenção na parte instrumental foi outro efeito sonoro.
Estou reparando que eles fazem diferença mesmo, se empregados do jeito certo, dessa vez não vou contar o que é. Será que você adivinha caro leitor?
Ouça a música e me conte aí nos comentários. Aproveita e vem dançar e se alegrar.
Esqueça os problemas, as broncas, os afazeres, só por uns minutinhos. Vamos ouvir uma boa música e relaxar.

Luz na passarela, pois essa música parece muito trilha sonora de desfile de moda! É perfeita para esse cenário. A energia dessa música é contagiante,, é tão prá cima! Me faz pensar também em conhecer o mundo, me aventurar, é maravilhoso!
Sensações que uma música de três ou quatro minutos pode trazer. Por isso que dizem que eu sou movida a música. Tenho canções para cada momento da vida. Literalmente caro leitor.
Acho que já provei isso, pois sempre que escrevo aqui sobre elas, eu falo na maior parte das vezes, de músicas que eu gosto ou acho interessante o bastante.
Certo, escute então a música de modelos fashion e garotas que visitam a Espanha. Por que Espanha? Sei lá, quero ir lá um dia, então escolhi esse país pra colocar na situação descrita.
Festa, esta, festa, diversão! Vamos leitor, não fique envergonhado, dá uma dançada aí! Vale bater o pé no ritmo da música também!

Como tudo que é bom uma hora acaba, o post está terminando! Calma, ainda vamos falar de uma última canção. Deixei o melhor para o final. Essa tenho quase certeza que você conhece meu caro leitor!
Essa música é um pouco mais importante para mim, pois fez parte da minha festa de quinze anos. Bons tempos quando eu só tinha que me preocupar em tirar boas notas nas provas!
Enfim, foi um dia bem legal. Claro que começou um pouco errado, umas coisas aconteceram e me chatearam, mas não deixei nada atrapalhar o meu dia.
Veja só, eu estava toda bonita, arrumada, cabelo alisado, me sentindo a princesa da Disney, só que não usava vestido, e sim um macacão jeans com chort meio curto e um cinto fabuloso! Cheio de pedrinhas cintilantes e… ok, vamos voltar ao que interessa.
Eu estava saindo do carro toda arrumada e quem estava lá para me receber? A chuva!
Sim, estava chovendo e eu de chapinha! Já começou bem não é?
Bom, alguém trouxe um guarda-chuva e a distância até a entrada do salão não era grande, portanto me salvei de ter o penteado arruinado. Ou quase, pois molhou um pouquinho.
Em segundo lugar, me dei conta de que o Cd com as músicas que eu queria tinha ficado em casa. Esqueci o maldito Cd! Isso me deixou muito, mas muito chateada mesmo.
O problema também foi resolvido depois. Até a capinha do Cd chegou molhada mais tarde.
No final das contas consegui que as músicas que eu gostava fossem tocadas e me diverti pra caramba com minha família e amigos.
Pra não dizer que foi tudo complicado, um dos presentes foi tão fofo!
Ganhei um girassol da minha professora de geografia. Eu amei! Eu lembro mais do presente dela, porque foi o diferentão. Risos, bem a cara dela me dar uma flor.
Como eu dizia, a música abaixo esteve presente na minha festa de quinze anos e o título dela combina com o pessoal festeiro, “não pare a música!”.

Doces, refri, mimos pra mim, fazendo festa sim!

Continue lendo

Este post é contraindicado para lobisomens

Lua, este satélite iluminado que inspira os apaixonados. Faz parte de muitas descrições de cenários românticos, poemas, canções. É um símbolo de mistério, amor, até solidão, dependendo do contexto. Pare pra pensar, quantas músicas que você conhece falam dela? Aposto que consegue pensar em umas cinco ou seis. Vamos ver quantas eu lembro sem procurar na internet: Lua de Cristal, A Lua, eu, Você, o Mar e Ela, A Lua Me Traiu, Banho de Lua.
O nosso planeta é tão humilde, só tem um satélite, só unzinho. Pensar que Júpter tem mais de sessenta luas. Não é incrível?
Ela é um astro iluminado, pois a luz que as pessoas veem na verdade não é emitida por ela. E sim um reflexo da luz que ela recebe do sol.
Aprendi isso na aula de ciências e nunca me esqueci. É um detalhe tão pequeno, mas sempre achei muito interessante.
Embora devo admitir que fiquei um pouco decepcionada. As vezes é bom ser como os povos antigos e não entender como a ciência funciona.
Por conta desse mistério e sentimentos bons que ela inspira, as canções escritas tratando da lua são muitas.
Temos Bruno Mars com a letra melancólica e maravilhosa da música, “talking to the moon”, ou “conversando com a lua”, onde ele diz que a amada deve estar olhando para a lua ao mesmo tempo que ele.
Há também uma linda canção provavelmente feita em homenagem as músicas brasileiras, pois é executada no estilo bossa nova, composta pelo brilhante cantor e compositor Jason Mraz, chamada Bela Luna.
Agora vamos falar sobre lua apaixonada. Isso mesmo caro leitor.
Se ela provoca suspiros, inspira versos, faz pensar em amores, por que não ela própria se apaixonar?
A primeira canção, e mais antiga é “a lenda”, onde a lua está apaixonada pelo mar.
Sempre achei essa canção tão fofinha. Coitado do mar, frio e sem carinho. O problema é que ele se apaixonou pela lua que está lá no céu, tão longe!
Pensando bem, o amor deles representa um amor proibido? Talvez.
O refrão pergunta se essa lenda faz sorrir ou chorar. Me conte, o que você sente meu caro leitor?
Eu acho bonito, mas me faria chorar. Quer dizer, os dois nunca vão poder ficar juntos.
Prova disso é a lua e as marés. Ela está tão apaixonada pelo mar que tenta puxá-lo para si e cria as marés altas e baixas.
Mas, eles não poderão ficar juntos no final.
Calma, não fique assim, eu prometi não vir com músicas tristes.
Então, esqueça tudo que eu falei, o mar e a lua vão ficar juntinhos e apaixonados.
Vamos celebrar os amores proibidos que as vezes se realizam!

Vamos arrumar outro pretendente para a lua? Que tal o sol?
Ele já a ilumina e faz ela brilhar desse jeito tão lindo que todo mundo adora, então seriam um parzinho fofo.
Mas na próxima canção ela se faz de difícil. Tá nem aí pra ele, coitadinho.
E o astro rei amando ela a milhares de séculos. Nesse caso, parece aquele cara ou garota que ama uma pessoa que fica enrolando ele ou ela pra sempre.
Veja só a lua esnobando o sol!

Agora temos um triângulo amoroso. O sol gosta da Lua, a Lua gosta do Mar, o Mar gosta da Lua também, mas não podem ficar juntos.
Ai, tá virando enredo de novela! Acho que esse papo de amores proibidos ou não correspondidos me contagiou, meu caro leitor!
Mas vamos fechar o post com uma canção de amor que deu certo.
Essa canção conta tipo a história de Romeu e Julieta, sempre imaginei que fossem eles, afinal eles se amavam em segredo, pois os pais não se gostavam.
Pensando bem, pode não ser eles, pois os dois enamorados da canção ficaram juntos, e, por causa de seu amor em segredo surgiu a lua cheia. Bem romântico não?
Então a Lua pode se fazer de difícil, pode ser uma sonhadora incansável, mas no fim ela ajuda quando se trata dos amores de outras pessoas.
Escutem que música mais bonitinha:

Para finalizar o post, dessa vez é sério caro leitor, vamos falar algumas curiosidades sobre a lua. Não exatamente sobre ela, mas onde ela está envolvida.
Por exemplo, a personagem Luna Lovegood dos livros Harry Potter. A garota tem este nome por ser sonhadora, viver pensando em coisas fora da realidade e parecer meio maluca. Mas não se engane, ela é muito inteligente e esperta.
Falando em pessoas distraídas e sonhadoras, essa também é a descrição de outra personagem com o mesmo nome. Luna Valente, a protagonista da série que tem o mesmo nome.
Uma produção da Disney onde vemos conflitos e histórias envolventes de adolescentes que são loucos por patinação.
Uma história muito clichê, mesmo assim é interessante, com músicas fofas e situações previsíveis. O pior é que você assiste, se apega aos personagens e não se importa quando descobre os planos da vilã antes mesmo dela.
Voltando a falar da lua propriamente dita, a expressão lua de mel é a tradução da mesma expressão em inglês. Ela vem de uma prática dos casais irlandeses que tomavam uma bebida feita com mel fermentado e água. Conhecido também como hidromel, tinham de beber isto na lua cheia que acontecesse na data mais perto do casamento. O mel representava uma fonte de vida e também era afrodisíaco.
Vivendo e aprendendo, não é meu caro leitor?
Concluímos que a Lua é famosa, é popular, é amada, é inspiradora, é linda e romântica.
Até o próximo post!
Dó, ré, Mi, Fá, Sol, Lua, Céu e mar!

Continue lendo

Friends! Não, não é a série

Olá caro leitor! Feliz 2019! Espero que sua virada de ano tenha sido fantástica, excelente, incrível, tudo de bom! Se comportou direitinho? Hum, conversamos depois. Agora vamos ao post de hoje. Vamos falar de um tema muito importante para todos nós, seres humanos que gostamos de nos relacionar com os outros, ou seja, vamos falar de amizade!
Você tem muitos amigos? Conversa bastante com todos eles? Seus amigos te conhecem bem? O que você já fez de surreal por algum amigo seu?
Eu tenho vários amigos, mas é claro que converso sempre apenas com alguns. Não importa o quanto você seja popular, não dá pra conviver com cada pessoa e ela saber tudo da sua vida. Todos os filmes americanos ensinam isso, as meninas populares ou tem uma melhor amiga, ou duas no máximo. Há exceções, porém vamos nos ater ao mais comum. Portanto, amigo mesmo, aquele pelo qual você faria tudo, não pode ser tanta gente assim.
Para não dizer que sou muito radical, vamos incluir alguns amigos virtuais, afinal, hoje em dia é fácil travar relacionamento com pessoas que moram do outro lado do país, ou do planeta. Eu queria ter uma amiga do Japão, ei, espera, em breve eu terei!
Voltando ao assunto principal, a primeira canção que vou mostrar faz parte do filme Toy Story. Está em português, ainda bem! E acho uma das músicas mais fofinhas de longas metragens!
Essa da pra usar na vida:

Continue lendo

Longa metragem made in China mais legal da Disney!

Olá caro leitor, quanto tempo não nos vemos! Nas últimas semanas estive sob o feitiço de um certo álbum novo de uma banda de rock composta por dragões imaginários. Enfim, agora que já aprendi pelo menos quatro canções do novo Cd, já posso sossegar.

Eu e meus casos de amor com canções internacionais. Já que estamos falando disso, conversaremos hoje sobre uma canção especial! Inspiradora! Linda, que já cantei em um desses aplicativos de karaokê no celular!

Essa música está presente no filme Mulan de 1998. Vemos nessa obra cinematográfica a China antiga e seu conflito com o povo dos hunos.

Continue lendo

Grito de guerra!

Olá meu caro leitor, ou leitora! Hoje vamos conversar sobre as consequências da queda do dólar nas transações comerciais entre os países. Calma, é brincadeira!
Vou falar sobre os filmes de uma franquia que divide opiniões, mais ainda do que a turma do Nescau ou Toddy. Várias pessoas amam, eu sou uma delas, mas outras pessoas detestam, como o Felipe Neto. Estou falando dos filmes dos Transformers.
Muitos dizem que os três primeiros filmes são os melhores. Depois aconteceu algo inédito: criaram mais histórias por que os lucros são muito bons para parar! Eu acho que eu devia ser mais exigente, pois eu gostei de todas as obras cinematográficas que assisti envolvendo os Autobots.
Tenho o meu favorito, o Óptimus Prime. Isso sim que é nome de um robô alienígena! Queria ser criativa assim para dar nomes aos meus personagens.
Certo, como eu dizia, eu gosto de todos os filmes. Por quê? Bom, por que eu me envolvo com a história e os personagens e não acho uma história ruim se ela não for ruim para mim. Portanto, o quarto longa metragem, apesar de ser um que a maioria das pessoas não gosta, para mim foi interessante. Não digo que foi o melhor de todos, pois nenhum terá a magia e emoção do primeiro. Mas não é uma história terrível.
Já falei muito dos filmes no geral, agora vamos falar especificamente do quarto filme, a era da extinção. Estou falando, esses roteiristas sabem dar nomes que chamam a atenção!
Confesso que assisti “os Transformers” por dois motivos, um era que eu ouvia todo mundo falar dos autobots e Óptimus Prime e eu não tinha ideia do que eles eram. O motivo dois é que eu descobri que na trilha sonora havia uma música da banda Imagine Dragons, um grupo musical que nem gosto muito. Então fui assistir aos três primeiros longas metragens para depois assistir o quarto filme e ouvir a minha banda favorita cantando enquanto os robôs alienígenas quebravam tudo! Literalmente.
Como o que nos interessa é a música e já falei muito dos filmes, vamos nos concentrar nela neste momento.
Escute então o rock de robôs alienígenas quando eles lutam com outros robôs alienígenas:

Com os primeiros acordes de piano, você pensa que a música será relaxante. Porém, o início constrói um clima tenso. Sabe aqueles segundos de antecipação antes de algo grande acontecer?
Isso é intensificado com os violinos em uma das minhas partes favoritas. Em seguida ouvimos as batidas ritmadas e fortes que só me fazem pensar em uma coisa: guerra!
Apropriado já que é disso que o filme trata em boa parte. Eu citei agora apenas elementos da música na questão de instrumentos.
Quanto a letra, fica ainda mais interessante. Por ter sido escrita especialmente para o filme, temos trechos como “é fazer ou morrer”, ou então: “grito de guerra, ninguém pode me salvar agora”. É como um guerreiro que se entrega a última batalha.
A expressão que dá nome à música, ou seja, “battle cry”, tem a tradução como “grito de guerra”. Como é uma expressão, não podemos traduzir literalmente, pois “to cry” significa chorar. Já a palavra “battle” seria batalha. Então seria em português: choro de batalha, ou então, lamento de batalha; lamento de guerra, grito de guerra! Chegamos no significado que faz mais sentido. Inglês é uma língua confusa e interessante ao mesmo tempo!
Uma das cenas mais emocionantes na minha opinião é o final desse filme. Temos a trilha sonora repleta de tensão, o clima de guerra e todos os mil acontecimentos do roteiro até ali, o guerreiro com sua voz robótica e seu objetivo definido diz:”…eu sei quem vocês são e estou indo atrás de vocês”.
(Aviso, eu estou parafraseando o filme, mas esse é o sentido das palavras dele(.
Depois explode a canção em seu ápice, e eu só fico aqui sorrindo. Essa é uma banda incrível, excelente, maravilhosa!
Chega de adjetivos para descrever algo subjetivo! Vamos aos fatos: a primeira música que ouvi dos “dragões imaginários”, é brincadeira, o nome da banda não se traduz; então, a primeira música deles que ouvi também foi no final de um filme. Coincidência ou não, este outro também falava de alienígenas!
Tratava-se do filme “a hospedeira”, onde uma raça de alienígenas bem intencionados invadia a Terra e tomava o corpo dos humanos. A população inteira estava sob o controle desses aliens, mas é claro que havia o grupo da resistência, afinal eu disse que os aliens legais tinham invadido o nosso planeta! Será que eles eram tão legais assim?
Após uma história cheia de surpresas, quando estão todos felizes ou quase, toca a música “radioactive”. Ela fala sobre uma era nova, ou seja um novo jeito de viver em um mundo que ficou diferente.
Devo admitir que “a hospedeira” não é tão conhecido como Transformers. Porém, o Imagine Dragons faz parte das trilhas sonoras de dois filmes. Isso não é pra qualquer um.
Eu acho que faço muita propaganda desses caras, é bom o Dean Reinolds me agradecer um dia!
Agora, voltando a falar do assunto principal, se eu não soubesse que em Transformers, a era da extinção, havia uma canção dos Dragões Imaginários, eu talvez não tivesse assistido ele até hoje.
Portanto, podemos concluir que nossas bandas favoritas também nos levam a conhecer histórias que vamos gostar muito. Que temos de dar uma chance para aquele grupo musical não muito conhecido no início, pois depois ele será bem famoso e todos vão conhecer as músicas. E por fim, concluímos que todo mundo deveria assistir robôs lutando e destruindo a cidade.
Não é só nos Vingadores que esse tipo de coisa acontece!
Os Estados Unidos gostam de colocar cenas mirabolantes envolvendo a destruição de suas cidades, pelo menos fazem isso com estilo! Ou por heróis e criaturas gigantes, ou por alienígenas tecnológicos que caem por cima dos prédios!
Por essas e outras que eu amo ir ao cinema. E amo ainda mais filmes audiodescritos.
Com um tchauzinho, digo adeus. Hum? Juro que não bebi nada, meu caro leitor, essa loucura é normal mesmo!
Dó de você não terei! Reze pelo meu perdão! Minha ira vai atingir seu coração de metal! Farei você sentir dor, robô alienígena! Isso que é inspiração para guerra!

Continue lendo

Quando a música te surpreende

Olá meu caro leitor. Vem cá, vamos conversar um pouquinho. Imagine aí na sua imaginação, que você é um músico. Talvez você seja mesmo, quem sabe… então, você está pensando em criar uma música nova, porém não vem nenhuma ideia que te agrade. O que você faz? As opções são: um, procura inspirações em canções antigas; dois, deixa a tarefa de lado e vai fazer outra coisa; três, vai ler um post aqui do Tecnologia Acessível até a inspiração chegar? Dê a sua resposta! Vamos lá, o tempo está passando! E soou o sininho indicando o fim do tempo. E qual a sua resposta? Opção três é claro!
Tá legal, falando sério, a mais indicada seria a primeira opção, buscar inspiração em músicas antigas. pois você pode regravar e fazer uma versão nova. Pode até ficar mais interessante ou agradável que a primeira! Mesmo assim nunca devemos desprezar a versão original, pois sem ela as regravações subsequentes não existiriam.
Todo esse meu falatório para te apresentar a três regravações maravilhosas de músicas que a versão original é um pouquinho diferente, ou muito, depende.
Começando com a canção: “I want to know what love is” da banda Foreigner!
Se liga na música que logo você vai perceber que já ouviu ela antes com uma certa cantora nos vocais.

Muito show não é? A tradução dessa música é linda, um amorzinho só. Essa canção foi lançada no ano de 1984. Eu não a conhecia, mas gostei desse tempo mais lento que a versão popular da música.
Já vou chegar nela, espera um pouco.
A próxima regravação é brasileira. A canção leva o nome de “foi você quem trouxe” com as vozes da dupla sertaneja Edson e Hudson.

Tenho que admitir que não achei tão interessante quanto as versões americanas. Juro que não é preconceito com as versões em português. Para não ser tão injusta, eu notei algo muito legal na canção do Edson e Hudson: o instrumental ficou muito bem feito, nota dez. A letra está um pouco diferente da tradução da canção original, mas está falando de amor, é isso o que importa. Além disso, sabemos que no caso da letra é necessário fazer adaptações, pois a tradução para outra língua faz com que muitas palavras não rimem e fica bem estranho quando tudo é literal.
Por fim, a última versão dessa música, que na minha opinião é a mais conhecida, mais bonita, mais romântica e tal.

Essa Mariah Carey arrebenta! A voz dessa mulher é inigualável! O instrumental ficou diferente na regravação, com o piano fazendo suas aparições, ficou tudo perfeito. Todo mundo cantando: “eu quero saber o que é o amor! Eu quero que você me mostre!”. Eu disse que ia parar de trazer música triste, estou cumprindo minha promessa, meu caro leitor.
Temos agora na versão original uma dupla! Eu sempre gostei dessa próxima música, principalmente pela voz masculina, porém nunca procurei o nome desse cantor. Os americanos vivem fazendo parceria nas canções não é? Eles adoram isso. Enfim, escute que amorzinho de música e prometo parar de usar a palavra amor no diminutivo nesse post:

Piano dá um charme todo diferente… que coisa mais bonita. Então, a versão dessa canção em nossa língua é do cantor Gustavo Lima! Talvez você até já saiba de qual se trata.
Escuta então se for fã, ou só para dar uma comparada nas duas e dar o seu veredito:

Resolvi citar essa música após assistir um vídeo do canal “o não famoso”, recomendo muito. Ele chamou a música de plágio, só que eu não sei se ele está certo, ou se é regravação. Mas que as músicas são parecidas, isso elas são e ninguém pode negar.
Essas maravilhas musicais estão fazendo você pensar em amores? Crushs? paixonites? Já fizeram você suspirar, meu caro leitor? São inspiradoras, românticas e fofas Porém, se nenhuma delas derreteu seu coração de gelo, vou lançar minha última cartada!
Para fugir dessa coisa de só falar de músicas em inglês, vamos para uma em espanhol!
A versão original é do cantor Cali Y El Dandee e se chama Yo te Esperaré.
Talvez minha tática para quebrar seu coração de gelo não funcione meu caro leitor! Essa já é uma música um pouco triste, se você ler a tradução vai perceber isso muito bem. Então, não ouçam meu conselho e não leiam a tradução da canção! Sim, eu sou contraditória.
Aqui está o link para você julgar se ela é romântica, triste ou as duas coisas ao mesmo tempo.

Por mais incrível que seja, a versão em português dessa canção é um forrozinho. Não ria, estou falando sério.
A música ficou legal pra caramba. Eu não sou fã de forró, nenhum pouquinho, mas eu não posso ignorar quando a coisa é bem produzida e fica um mimo. Talvez eu tenha gostado tanto por que eu adoro a versão original. Não sei, mas o fato é que ficou muito lindo e eu bato palmas para quem fez essa versão.
Dê uma chance e escute pelo menos até o refrão, não custa nada, vamos lá:

Eu encontrei até uma versão da dupla Simone e Simaria, porém esse forró ficou imbatível. Quem diria que eu ia gostar tanto dessa versão? Primeiro foi o Justin Bieber com Despacito, agora um forró derivado da música em espanhol, o que posso dizer, isso prova que cada música pode conquistar a gente de formas diferentes e inesperadas!
Antes de finalizar, notei uma curiosidade entre os nomes das canções. Veja só: a primeira música do post se chama “I want to know what love is”, ou seja, “eu quero saber o que é o amor”; a versão em português se chama “foi você quem trouxe”; a segunda música se chama “just give me a reason”, traduzindo seria: “Apenas dê me uma razão”; a versão em português ganhou o título: “Diz pra mim”; a terceira e última se chama “yo te esperaré”, a versão em português ficou: “eu te esperarei”. Viu? As canções em inglês recebem nomes completamente diferentes e desconexos em português comparando com o título dela na língua original. Já em espanhol foi feita a tradução do título certinho. Claro que essa coincidência linda no caso da terceira canção, não se estende a letra, pois nela há muitas modificações. De qualquer forma, ficou maravilhosa. Acho que por hoje já falei bastante meu caro leitor. Fique aí curtindo as músicas e nos vemos em breve!
Dó, ré, Mil lágrimas de amor.

Continue lendo

Reggaeton nota dez!

Despacito! Lá-lá-lá-lá-lá-lá-lá-lá, despacito, lá-lá-lá-lá-lá, despacito! É assim que alguém que não sabe a letra canta. Eu sei cantar, ouviu? Não estou citando a minha pessoa como exemplo disso. Então, vamos falar agora sobre o ritmo delicioso de reggaeton!
Essa maravilha surgiu primeiro no Panamá na virada da década de setenta para oitenta. Ficando popular em Porto Rico e na Espanha só lá para os anos noventa. Até que demorou um pouco não é?
Bom, para fazer o reggaeton é muito fácil. Pegue uma tigela e coloque uma dose de Reggae, depois algumas colheradas de hip hop, uma xícara de salsa e uma pitada de música eletrônica. Seu reggaeton está pronto!
Esses gêneros que citei são influências que o reggae do Panamá recebeu durante os anos para tornar-se o Reggaeton. Não espere ouvir uma música e encontrar todas as partes citadas, como hip hop e música eletrônica lá no meio viu?
Apesar de existir desde o início dos anos oitenta, o termo Reggaeton só foi surgir no Panamá no meio da década de noventa. A palavra é a fusão de Reggae que já sabemos o que é, com a palavra “maratón”, que significa maratona. Era muito popular no Caribe o concurso de rimas de rap, que era essa tal maratona que falamos agora.
Os primeiros cantores desse gênero musical tiveram grande aceitação, pois juntavam o reggae da Jamaica com uns toques de música latina! (Arriba! Desculpe, me empolguei aqui).
Como eu dizia, no final das contas o reggaeton tinha uma pegada mais para o rap com letras que falavam de temas fortes. Fui ouvir uma das músicas citadas como sendo a primeira do gênero e realmente o som é um rap, com o cantor falando rápido e parecendo bem irritado.
O ano de glória do nosso querido ritmo latino foi em 2006, onde se popularizou mundialmente. Neste ano foram lançados vários álbuns de cantores como Daddy Yankee, Don Omar, Wisin, entre outros. Até hoje nas casas de show de Porto Rico eles tocam músicas dessa época. Os caras fizeram música boa mesmo não é?
Tenho uma curiosidade para te contar: nesse ano foi lançada uma coletânea de dois álbuns reunindo muitas músicas boas do gênero e estes Cds foram produzidos pela Luny Tunes. Não é fofo?
Me faz pensar naquele desenho animado bonitinho, o Baby Looney Tunes. Será que queriam fazer uma homenagem, ou isso é apenas uma coincidência? Acho que nunca saberemos.
Agora vamos voltar ao meu passado, vou te mostrar a primeira música de reggaeton que ouvi. Escute, e aprecie sem preconceitos, combinado?

Quantas horas passei dançando essa música fingindo que eu sabia dançar! Era tão divertido! Tenho que admitir que achei um pouco estranho ouvir músicas em inglês de uma banda que só cantava em espanhol. Mas isso foi só nos primeiros momentos, depois até aprendi a cantar as minhas favoritas.
Como diria o Felipe Neto, o reggaeton causa um certo “rebuliiiço!” nos países em que ele é mais ouvido, por dois motivos: a letra com forte apelo sexual. Afinal, isso sempre faz sucesso. Uma triste verdade. O outro motivo é uma forma de dançar que não vale nem a pena explicar. Basta dizer que não é um passo de dança respeitoso.
Mesmo assim, o ritmo é muito conhecido por todo o mundo.
Claro que não podemos generalizar. Há letras que falam de amor, ou temas mais complexos como drogas e até mesmo canções que tratam de religião.
Vamos analisar um ponto muito importante agora. O reggaeton tem músicas com teor sexual em evidência. Logo é criticado. Podemos concluir que é o mesmo que acontece com o nosso funk aqui no Brasil.
De funk eu não gosto. Porém, reggaeton eu amo. Ou seja, eu gosto de funk de outros países. Portanto, eu gosto de funk?
Acho que essa é a grande verdade. Você, meu caro leitor, pode argumentar que são estilos musicais diferentes. Mas quanto à letra, popularidade e eu ousaria dizer, as batidas, reggaeton e funk poderiam ser primos. Talvez de terceiro ou quarto grau, mas poderiam ser parentes sim.
É por isso que dizem que a ignorância é uma bênção. Fui pensar sobre o assunto e concluí que eu gosto de funk estrangeiro!
Agora vamos falar da música que tocou nos rádios, nos streamings, em cada esquina e, principalmente, na sua mente.
Despacito, a canção que fez todo mundo lembrar do reggaeton! A música que me causou sentimentos mistos. Senti um amor instantâneo e um pouquinho de raiva, pois eu nunca gostei do Justin Bieber, e então ele vem com essa tal de Despacito e eu meio que amei!
Isso não é justo, como você pode detestar alguém quando essa pessoa faz uma música tão legal assim, me diz!
Enfim, conflitos internos musicais a parte, você sabia que essa canção já existia? O Justin a escutou em um dos países que ele foi fazer show e achou bem maneira. Então resolveu lançar a música com ele mesmo cantando e com os cantores originais dela que eram o Luis Fonsi e Daddy Yankee.
A única diferença entre as duas músicas, é que a versão original é toda em espanhol. Já que estamos falando de Despacito, eu nunca vi uma música ter tantas paródias!
Acho que um dos próximos posts eu posso fazer uma lista com as melhores. O sucesso explodiu e incentivou todo mundo a fazer sua versão. Afinal de contas, um monte de coisa rima com despacito.
Agora vou lançar um feitiço em você e te fazer gostar desse estilo musical tão alegre! Abaixo você pode ouvir uma das minhas músicas favoritas, que por milagre não é do Cnco.

Antes de finalizar, vamos falar de uma banda que está fazendo muito sucesso atualmente, o já citado Cnco. Formada em 2015 no programa La Banda, o grupo é composto por Zabdiel, Richard, Joel, Eric e Christopher. La Banda é um programa que procura novos talentos da música. Os jovens se conheceram todos durante as etapas do mesmo. Uma das músicas que tocou bastante aqui no Brasil foi Tan Fácil. Muito simpáticos nas entrevistas, os jovens falam que não querem ser mais uma “boy band” que todo mundo curte por um tempo e depois esquece, querem ser mais do que um grupo pop latino.
Com ritmos mais lentos para dançar junto com o seu amor, ou canções agitadas pra se soltar naquela festa, com certeza o Cnco terá uma música do seu agrado. Vale a pena pesquisar as traduções, já que eles cantam em espanhol.
Vamos finalizar então o post com uma música deles, novinha em folha! É tão inédita que eu só a ouvi duas vezes antes de decidir colocá-la aqui.
Estou cumprindo minha promessa anterior de não incluir músicas tristes por um tempo.
Então me dê a sua mão e vamos dançar um pouquinho!
Repare na sanfoninha, adorei esse toque brasileiro.
Dó, ré, mi, fá, vem bailar!

Continue lendo

a música eterna

Hoje vamos falar dela. A canção que a maioria dos habitantes do nosso planeta já ouviu, muitos detestam e absolutamente todos ficam com ela na cabeça o dia inteiro depois de ouvir. Sim, é essa música que você está pensando! Presente em um filme que mostra o amor e a tragédia, que faz parte do meme do carinha tocando flauta e errando as notas. Exato, é a música cantada pela Céline Dion!
Você pode estar se perguntando por que raios estou falando disso no post de hoje, a resposta é, por que eu tenho que te mostrar a melhor versão cover dessa música!
Mas antes, me conte, você já leu a tradução da canção? Se você disser que sabe por que a Sandy cantou em um Cd antigo, eu vou… não vou fazer nada por que realmente a tradução dela não está tão errada. Basicamente a letra fala de um amor que se foi e que nunca voltará!
A versão da dupla de irmãos tem palavras diferentes, mas o sentido é esse também.
O filme do Titanic pode ser resumido assim? Um amor proibido e interrompido? Não, por que além do casal desafortunado haviam quatrocentas mil pessoas no navio! Não acredite nos meus números. O que estou querendo dizer é que o filme é mais que o amor impossível dos dois. Para te falar a verdade eu acho que minha aversão a cruzeiros marítimos é culpa do longa metragem. Não que eu já tenha sido convidada a embarcar em um cruzeiro, mas se for convidada, vou pensar umas dez vezes.
Tem alguns filmes que foram feitos para deixar a gente chocado, triste e aflito, Titanic é um desses, mas todo mundo assiste né! Antes de voltar a falar dos covers que eu trouxe para te mostrar, conta aí, quando você assistiu Titanic pela primeira vez?
Eu me lembro que eu era criança, assisti em casa com minha mãe e minha irmã. Nem tive pesadelo com aqueles afogamentos, congelamento de corpos caindo no mar e a trilha sonora trágica. Eu tinha prometido levantar o astral nos próximos posts e venho falar de my heart will go on…
Certo, em breve vou mudar o foco, prometo! Músicas alegres chegando em breve!
Agora quanto aos covers, encontrei um que ficou tão maravilhoso quanto a música original. Se trata de um dueto de uma voz feminina e uma masculina. Ficou perfeito!
Ai se eu cantasse assim! Confira que coisa mais bonita

Preste atenção no próximo cover que vai escutar! Ele foi o motivo desse post. Eu gosto de originalidade, atitude, energia, e esse cover abaixo tem tudo isso. Fala sério, não é legal quando podemos modificar o ritmo e dar uma cara nova para a música?
É isso que fazem com a “música do Titanic”, de uma flauta, para um piano maravilhoso e dele para guitarras!
Confira o cover incrível feito pela banda New Fond Glory:

Nesse cover parece que a música tá com pressa não é? Ela tomou café e tá energizada! Pensando aqui comigo, essa versão é o inverso daquele cover da Tsubasa Imamura que mostrei no outro post. Lembra qual era? A versão calma e suave da música “me adora” da roqueira Pitty. Se você não sabe do que estou falando, clique no post cujo título é: “você curte as famosas versões cover?”. Como mencionado lá, a japonesa cantou de um jeito fofinho uma música de rock, e os meninos do New Found Glory fizeram uma versão punk rock de my heart will go on. É por isso que a música é uma das artes feitas pelo Homem que eu mais admiro!
E então meu caro leitor, de qual cover você gostou mais? O dueto ao som de piano? Ou do rock animado do New Fond Glory? Me conta nos comentários!
Uma curiosidade sobre essa banda: ela é composta por quatro jovens da cidade de Coral Springs na Flórida! Você se lembra que há uma outra banda formada por três irmãos que fizeram muito sucesso no youtube com covers? Citei eles no outro post sobre o assunto, a banda é o Boyce Avenue! Coincidência? Com certeza, mas a Flórida está boa em fornecer cantores de covers incríveis não é mesmo?
´É praticamente a Goiânia dos Estados Unidos. Nossa, como sou engraçada!
Até a próxima então meu caro leitor! Sim, o post de hoje foi rápido, conciso e divertido. Seja como eu, tenha auto estima!
Dó, ré, mais nada.

Continue lendo
Copyright (c) 2018 - Tecnologia Acessível